jun 28, 2020

55 Fontes de Inspiração para Trabalhar no Combate ao Racismo

Em solidariedade ao Black Lives Matter, não publicamos nosso conteúdo programado regularmente nas últimas semanas. Mas como sabemos o quão poderoso o conteúdo pode ser, estamos usando esse espaço para amplificar vozes negras e apoiar o combate ao racismo.

 

Aqui estão 55 fontes de inspiração recomendadas pessoalmente por nossa equipe. Essas pessoas, organizações e obras de arte nos comoveram, nos educaram, nos inspiraram ou mudaram nossa visão da experiência negra e como podemos nos mostrar para a comunidade. Esperamos que elas também os inspirem.

 

55 Fontes de Inspiração  para Trabalhar no Combate ao Racismo

 

  1. Red Line Art Series de Greg Edwards: uma impressionante série de artes visuais que destaca a prática de Redlining nas cidades dos Estados Unidos, que criou disparidades econômicas que afetam as comunidades atualmente.
  2. Silvio Almeida: Como o racismo estrutural se manifesta no Brasil? Esse é um dos principais temas discutidos pelo jurista, professor da FGV, da Mackenzie, e da Universidade de Duke, nos EUA.
  3. #8cantwait: uma lista de políticas policiais sobre as quais você pode se inspirar para começar a ligar imediatamente para seu prefeito ou vereador.
  4. Sueli Carneiro: Uma das pioneiras em articular os estudos raciais com questões de gênero, Carneiro é filósofa, ativista, doutora em educação pela Universidade de São Paulo e fundadora do Geledés – Instituto da Mulher Negra.
  5. Blacks Who Design: um diretório do Twitter de talentosos designers negros.
  6. Djamila Ribeiro: pode ser considerada hoje como uma das principais vozes contra o racismo e a discriminação das mulheres no Brasil. A filósofa e escritora é autora de livros como “O que é lugar de fala?”, “Quem tem medo do feminismo negro?” e “Pequeno manual antirracista”.
  7. Instituto Othering & Belonging da UC Berkeley: O Instituto reúne pesquisadores, organizadores, partes interessadas, comunicadores e formuladores de políticas para identificar e eliminar as barreiras para uma sociedade inclusiva, justa e sustentável, a fim de criar mudanças transformadoras.
  8. Flávia Oliveira: Jornalista, colunista, comentarista e  apresentadora. Flávia Oliveira leva o debate sobre o racismo para grandes veículos como O Globo, CBN, GloboNews e Canal Futura. Aproveite e dê uma passada pelo seu Podcaster Angu de Grilo.
  9. Quem pertence?: Um podcast do Instituto Othering & Belonging da UC Berkeley que aborda a questão de quem pertence e explora uma série de políticas, movimentos, bolsas de estudos e narrativas que nos aproximam do objetivo que buscamos: uma sociedade onde todos pertencem.
  10. Winnie Bueno: Criadora da “Winnieteca”, projeto que conecta pessoas através da doação de livros para promover o debate contra o racismo é apenas uma das atividades fantásticas de Winnie Bueno, acadêmica e influenciadora digital.
  11. Podcast da HotBoxin com Mike Tyson ft. Van Jones: Van Jones é como o Van Gogh da luta pela justiça e pelos direitos humanos. Mas Van Gogh nunca ajudou a aprovar a reforma da justiça criminal bipartidária.
  12. Jurema Werneck: trabalha com temas como direitos humanos e políticas para a população negra. É hoje, diretora da Anistia Internacional Brasil.
  13. Ei, Jason!: Um podcast sobre masculinidade e a experiência masculina negra.
  14. Lilia Schwarcz: Autora de obras como “Nem preto nem branco, muito pelo contrário”e “Retrato em branco e negro: , escravos e cidadãos em São Paulo no fim do século XIX”. A antropóloga, historiadora e professora de universidades como Princeton e USP Lilia Schwarcz é leitura obrigatória para quem busca referência nos estudos raciais no Brasil.
  15. Projeto Nia: A partir de 2015, os jovens negros têm uma probabilidade 5 vezes maior de serem detidos ou comprometidos (encarcerados) em comparação aos jovens brancos. O Projeto Nia é uma organização de base que trabalha para acabar com a prisão, detenção e encarceramento de crianças e jovens adultos, promovendo práticas de justiça que ressocializam  e transformam.
  16. Emicida: O rapper, artista e influenciador Leandro Roque de Oliveira (MC + Homicida) é considerado como uma das maiores vozes do hip hop do Brasil. Criador de um dos maiores selos de música independente do Brasil ele se destaca também no movimento contra o racismo no Brasil e no mundo.
  17. All Star Code: Uma organização que cria oportunidades econômicas para jovens de cor. Desenvolvendo uma nova geração de meninos com uma mentalidade empreendedora que possui as ferramentas necessárias para ter sucesso em um mundo tecnológico.
  18. Não basta não ser racista: Sejamos antirracistas: um livro de Robin Diangelo que é um chamado para todos os brancos abandonarem a ideia de superioridade e, de fato, atuarem no combate ao racismo. Negação, silêncio, raiva, medo, culpa…
  19. Narrative 4 Field Exchange Program: A Narrativa 4 é uma rede global de educadores, estudantes e artistas que usa arte e narrativa para criar empatia entre os jovens, enquanto enquanto fornece ferramentas para que eles melhorem suas comunidades e o mundo. O programa de intercâmbio é uma experiência imersiva projetada para que estudantes de diferentes origens, culturas e comunidades explorem as casas e as histórias uns dos outros.
  20. Mulheres, raça e classe: um livro de Angela Davis. A escritora começa seu livro tratando da escravidão e de seus efeitos, da forma pela qual a mulher negra foi desumanizada. Logo nas primeiras páginas apresenta a impossibilidade de se pensar um projeto de nação que desconsidere a centralidade da questão racial, já que as sociedades escravocratas foram fundadas no racismo.
  21. Série de fotos de Stranger Fruit por Jon Henry: Pelo artista: Stranger Fruit a série de fotos foi criada em resposta aos assassinatos sem sentido de homens negros em todo os Estados Unidos pela violência policial. Perdida no furor da cobertura da mídia, ações judiciais e protestos, está a situação da mãe que, independentemente do resultado legal, deve continuar sem o filho. Essas fotografias retratam mães com seus filhos em seu ambiente, reencenando como deve ser a sensação de suportar essa dor.
  22. Pequeno manual antirracista: um livro de Djamila Ribeiro. Neste pequeno manual, a filósofa trata de temas como atualidade do racismo, negritude, branquitude, violência racial, cultura, desejos e afetos. O livro não é longo, mas consegue apresentar caminhos e reflexões para todos que queiram se aprofundar na discriminação racial estruturada e assumir a transformação da sociedade atual.
  23. Justiça em junho: uma programação de ações para se fazer, todos os dias, para se tornar mais informado. Primeiro passo para se tornar um aliado ativo da comunidade negra.
  24. O sol é para todos: um livro do escritor Harper Lee. E seu livro Harper trata do racismo e injustiça através da história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos de 1930.
  25. Abordagem de saúde pública: uma estrutura recomendada pelo membro do conselho da cidade de Minneapolis, Phillipe Cunningham, para a construção de sistemas alternativos de segurança pública, fora do policiamento, enraizados na comunidade e na justiça.
  26. Selma (dirigido por Ava DuVernay): Um filme poderoso baseado nas marchas de 1965 dos direitos de voto de Selma a Montgomery.
  27. Color of Change: uma organização que lidera campanhas para levar os tomadores de decisão nas empresas e no governo a criarem um mundo mais humano e menos hostil para os negros na América.
  28. Long Walk to Freedom de Nelson Mandela: Uma autobiografia poderosa que narra o início da vida de Mandela, a maioridade, a educação e os 27 anos de prisão do apartheid.
  29. Heavy: An American Memoir de Kiese Laymon: Um livro de memórias poderoso e provocativo, no qual Laymon explora o peso de uma vida inteira de segredos, mentiras e decepções para um corpo negro, uma família negra e uma nação à beira do colapso moral.
  30. No Interior do Alabama: A Vida em Hale Country (dirigido por RaMell Ross): Um filme que captura momentos íntimos e pessoais da vida da comunidade negra de Hale County, Alabama, formando uma impressão emotiva do sul histórico e destacando as conseqüências do racismo.
  31. Monique Melton: Educadora anti-racista negra, apresentadora de podcast (Shine Brighter Together), autora e palestrante.
  32. Mona Chalabi: jornalista de dados, artista e oradora que aborda as injustiças sociais mais presentes através de ilustrações e textos acessíveis e envolventes.
  33. The 1619 Project: Uma peça multimídia do New York Times que explora o legado da escravidão nos EUA e como a experiência americana negra foi moldada desde a chegada do primeiro navio negreiro africano, 400 anos atrás.
  34. Rachel Ricketts: educadora da justiça racial que oferece cursos online de ativismo espiritual e outros recursos.
  35. Campanha Zero: Uma campanha de reforma policial proposta por ativistas associados ao Black Lives Matter.
  36. GirlTrek: Uma organização que incentiva mulheres e meninas afro-americanas a usar a caminhada como um primeiro passo prático para inspirar uma vida saudável, em família e em comunidade.
  37. Black Girls Trekkin: uma comunidade de Los Angeles que capacita mulheres de cor a passarem o tempo ao ar livre, curtirem a natureza e a protegê-la. 
  38. The Conscious Kid: Uma organização de pesquisa e política dedicada a reduzir o viés e promover o desenvolvimento positivo da identidade na juventude. 
  39. The Loveland Foundation: Uma fundação focada em fornecer apoio à saúde mental e bem-estar para mulheres negras e mulheres de cor.
  40. Por que não fazer a coisa certa na primeira vez da poeta Nikki Giovanni: Aproveite esta poderosa palestra TEDx de 2017.
  41. Lisa Fields: A fundadora do Jude3project, uma organização preparada para ajudar os membros da comunidade negra a navegar pelas questões de fé e cultura.
  42. A 13 Emenda (dirigido por Ava DuVernay): Um documentário com acadêmicos, ativistas e políticos que analisam a criminalização de afro-americanos e o boom das prisões nos Estados Unidos.
  43. Ta-Nehisi Coates: Ele é um dos melhores escritores da América. Leia os livros dele! Ou, uma introdução fácil e poderosa é sua entrevista no podcast OnBeing: “Imaginando uma Nova América”.
  44. Calida Garcia Rawles, artista de Los Angeles: As pinturas foto-realistas usam a água como uma linguagem visual para abordar políticas raciais e de gênero.
  45. Sociedade Nacional de Engenheiros Negros, Jr .: Esta organização ajuda jovens estudantes negros a se imaginarem em carreiras de ciência, tecnologia, engenharia, e matemática, proporcionando aos alunos eventos educativos e divertidos.
  46. Iniciativa Nacional de Adote uma Escola da Igreja: Fundada pelo Dr. Tony Evans, a iniciativa influencia mudanças sociais positivas na juventude e nas famílias urbanas por meio do sistema público de escolas dos Estados Unidos e em áreas como desenvolvimento econômico, educação, moradia, revitalização da saúde, renovação familiar e reconciliação racial.
  47. Code2040: Uma organização sem fins lucrativos que ativa, conecta e mobiliza a maior comunidade de eqüidade racial em tecnologia para desmantelar as barreiras estruturais que impedem que pessoas negras participem totalmente do setor de tecnologia.
  48. The Last Artful, Dodgr, Ural Thomas e a Dor, Chanti Darling: Eu quero ampliar as vozes de alguns músicos negros locais que se dedicam tanto à sua arte e à nossa comunidade.
  49. Recursos anti-racismo: Um conjunto de maneiras pelas quais as pessoas podem aprofundar seu trabalho anti-racismo.
  50. Roxane Gay: Um escritor com talento maravilhoso e com uma perspectiva ponderada sobre muitas questões sociais. Este ensaio nos ajudou a entender melhor como precisamos nos levantar e nos tornarmos mais ativos.
  51. People of Craft: Uma mostra de Black and POC em design, publicidade, tecnologia, ilustração, letras, arte e muito mais.
  52. CBC PAC: Acredito que se você deseja proporcionar uma mudança positiva em sua comunidade, precisa votar nas pessoas que representam sua comunidade. Vote no local, vote no estado e vote no nacional. O CBC PAC é um comitê americano que visa aumentar a representação afro-americana e de aliados não-negros no Congresso dos Estados Unidos. Um bom exemplo para ser utilizado em terras brasileiras.
  53. Black Game Developers: uma conta no Twitter que promove o trabalho dos desenvolvedores de jogos Black.
  54. 3 maneiras de falar inglês: em seu poderoso ensaio de palavras faladas “Inglês quebrado”, Jamila Lyiscott, Ph.D, celebra, e desafia, três vertentes distintas do inglês que ela fala com seus amigos, na sala de aula e com seus pais.
  55. Moonlight (escrito e dirigido por Barry Jenkins): Um filme para adultos que conta a história da vida de um homem negro na Flórida em três etapas. Ele explora as dificuldades que ele enfrenta com sua sexualidade e identidade, incluindo os abusos físicos e emocionais que ele sofre ao crescer.

 

Sabemos que temos muito trabalho a fazer e esperamos que esta lista seja um começo útil para outras pessoas também. Também estamos sempre procurando novas maneiras de aprender, crescer e desafiar a nós mesmos. Se você possui recursos que podem nos ajudar nessa jornada, sinta-se à vontade para incluí-los nos comentários. Enquanto isso, a boa luta continua …

 

Paz e amor,

 

Baloodesign