dez 19, 2019

Geração Alpha: como os profissionais de marketing B2C podem se preparar para o tamanho desse mercado

É um pouco tolo começar a se preocupar com o marketing para uma geração que ainda não consegue dirigir e muito menos se vestir? Talvez, mas alguns profissionais de marketing já adotaram a idéia de se preparar para um ataque de compradores de carros.

De que compradores estamos falando? Geração Alpha! Se você ainda não escutou essa denominação, é melhor se preocupar. Eles são compostos pelos filhos da geração Y, que estão começando a fazer 40 anos agora.

Enquanto algumas pessoas pensam que olhar para um grupo de crianças pequenas no ensino fundamental pode ser um pouco antecipado, lembre-se de que eles já estão contabilizando muitos gastos e estão influenciando as decisões de compra de seus pais. De acordo com este estudo global de 2016 da Cartoon Network, as crianças na Austrália com idades entre 04 e 14 anos representam gastos de bilhões apenas com o dinheiro do próprio bolso. Talvez o mais importante seja que, com mais de 2,5 milhões de crianças da Geração Alpha nascendo a cada semana, estima-se que essa geração terá mais de 2 bilhões de pessoas.

Agora, supondo que esses números e tendências só continuem crescendo, isso significa muito poder de compra para ser subestimado. Além disso, podemos prever alguns padrões de comportamento com base nos hábitos de consumo de seus pais. A geração do milênio, que nasceu em um mundo em que smartphones, telas, tablets e interconectividade constante, já se tornou comum.

Com isso em mente, vamos analisar brevemente como os profissionais de marketing de B2C podem se preparar para a Geração Alpha:

Mais conteúdo visual

Você acha que a geração do milênio está online? Não, a Geração Alpha envergonha seus irmãos de meia-idade, quando se trata de permanecer on-line! Essas crianças, nascidas em 2010 ou depois, nunca se desconectam. Eles são os primeiros a crescer verdadeiramente com a Internet moderna. Enquanto isso, a geração do milênio é a última geração a contar histórias nostálgicas sobre o telefone fixo, modems, filmes em fita e brincadeiras na rua.

Você pode adivinhar o que isso significa: as crianças da Geração Alpha conhecem seus Instagrams e YouTubes como conhecemos nossas pulseiras e jaquetas do time do coração. De fato, 87% das crianças desta geração preferem plataformas de vídeo como o YouTube à televisão, mesmo com o seu envelhecimento. Esse é um fato sem retorno, os mais jovens já questionam seus pais do motivo dos anúncios de TV não poderem ser pulados.

Resumindo, se você não adotou o vídeo como formato de comunicação, faça disso uma prioridade o mais breve possível.

Mais conteúdo interativo

Como nascem com iPads, Siris e Joy-Cons em suas mãos, a Geração Alpha está mais acostumada a interagir com seus dispositivos e seu conteúdo do que as gerações anteriores. As marcas precisam criar conteúdo com o qual possam conversar, brincar e, basicamente, se envolver mais. Nesse ponto a diferença entre as gerações é tão grande que precisamos repetir. Interagir não significa ver a marca, assistir um comercial, assistir um simples vídeo ou receber um brinde. Interagir, para a Geração Alpha, significa conversar, brincar, questionar e se envolver em níveis de interação do processo criativo inicial até seu uso final.

Plataformas como o Instagram Stories são muito interativas. As marcas podem criar pesquisas altamente visuais e interativas com o Instagram Stories que podem desaparecer (para criar um sentimento de urgência) ou ficar arquivadas na parte superior da página de perfil.

YouTubers são personalidades com as quais as crianças podem se envolver diretamente, por meio de bate-papo por texto ou webcam. Marcas comerciais podem hospedar mais sessões de vídeo ao vivo, no Facebook, YouTube ou Twitch, onde os clientes fazem perguntas diretamente e se envolvem com o público. Se você tiver recursos, poderá criar shows semanais ou um evento mensal com o público. Marcas de videogame como a Capcom são realmente boas em hospedar sessões de jogo frequentes, que mostram a jogabilidade, onde os desenvolvedores podem responder perguntas e oferecer brindes relacionados a novas experiências.

Marcas de móveis, roupas e brinquedos também podem explorar atividades com a Realidade Aumentada. O Pokemon Go, que transmite monstros de bolso para ambientes da vida real através da tela do seu telefone, ainda é uma sensação. Integrado com novos jogos para as plataformas Nintendo, seu sucesso se deve ao enorme poder da marca, mas também pela experiência. Uma linha de personagens de ação ou uma linha de roupas pode infiltrar-se e assumir o setor de Realidade Aumentada do seu segmento de mercado.

Depois, há recursos de voz. Utilizados com mais frequência na página inicial do Google, Siri e Alexa, as crianças podem fazer perguntas aos tablets a qualquer momento. Até mesmo ferramentas de ditado que custamos a usar eles utilizam com extrema facilidade. Eles estão crescendo com “mordomos digitais”. Otimizar seu conteúdo para esse tipo de comunicação é fundamental. Palavras claras, termos curtos e marcantes são agora uma prioridade para essa nova linguagem.

As marcas devem ter cuidado ao aproveitar essa tecnologia, no entanto, especialmente quando se trata de coletar dados. O aplicativo de vídeo TikTok foi atingido com uma multa recorde de US $ 5,7 milhões por coletar ilegalmente informações pessoais (endereços de email, nomes, localização) de crianças menores de 13 anos. Preste atenção a regulamentos como a COPPA ou a Lei de Publicidade Infantil ao criar seu conteúdo.

Resumindo, a luta agora é pela atenção e não mais pelas melhores interrupções.

Abrace a clareza e a cativante narrativa

As crianças têm uma variedade de opções à sua disposição. Netflix, YouTube, HBOGo, Amazon Prime e Disney Plus. Além disso, elas podem selecionar suas próprias playlists de vídeo sempre que quiserem.

Com isso, a disposição de informação é praticamente instantânea. E quem irá se destacar entre todas as opções? Aquele que entregar a informação de forma clara e rápida dentro de um período de atenção reduzido. Todo mundo quer que as perguntas sejam respondidas mais rapidamente, mas a Geração Alpha definitivamente levará essa tendência para novos níveis de interação.

Por outro lado, os Millennials apreciam uma boa história. E até preferem gastar mais tempo com um conteúdo único do que com vários. Preocupe-se com a narrativa para atender de forma clara ambos os públicos.

Abrace a honestidade

Vamos ser reais. A geração do milênio e a geração Z desconfiam dos negócios. E eles vão passar esses valores para os filhos. Faz sentido, não é? Mas é uma ótima oportunidade para as marcas fazerem um balanço de seus próprios valores e garantirem que estejam alinhadas com as de seus clientes. É também uma oportunidade para as marcas adotarem autenticidade e interações honestas e abertas com o público.

Se algo não der certo com o lançamento de um produto ou a atualização de um software, não o varra para baixo do tapete. Dê uma luz, diga que você tem um plano de melhoria e tenha atitudes de acordo com esses planos, mantendo todos atualizados e bem informados ao longo do caminho.

Sim, a interação da Geração Alpha com muitas marcas ainda está bem longe. Mas não é cedo para começar a entender as tendências e os hábitos da Geração Alpha. Preparar uma estratégia para se envolver com essa nova geração de nativos digitais reais é fundamental para o futuro da sua empresa.

Quer saber como iniciar esse trabalho? Entre em contato com a Baloodesign e solicite uma proposta de trabalho ou uma consultoria. Clique aqui e não perca tempo.